Dec 15, 2018 Última Atualização em: 12:36 PM, Dec 11, 2018
Blog
Márcio Nunes

Márcio Nunes

Agora, diretamente no banco, o segurado pode conseguir a senha de acesso a Central de Serviços Meu INSS. O Banco Mercantil e o Itaú já oferecem essa possibilidade aos clientes através do menu “Previdência”.

Além destas instituições, outras devem fornecer o serviço por meio de seus canais remotos, como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil.

O Meu INSS é uma ferramenta criada para facilitar a vida dos segurados. A Central de Serviços permite fazer agendamentos e realizar consultas. O segurado acessa e acompanha todas as informações da sua vida laboral (ou seja, sua história de trabalho) como dados sobre contribuições previdenciárias, empregadores e períodos trabalhados. Para os já aposentados é possível acessar o histórico de crédito do benefício e o extrato do imposto de renda.

Artigo publicado no jornal Zero Hora em 28/03/2018
 
Quão enorme está a intolerância política! Essa intolerância não é de agora. Não importa de onde ela venha. Ela vem de décadas. Mas, aos poucos ela está extrapolando os limites do bom senso.  

Honramos as nossas tradições e a nossa história. As guerras do passado servem hoje para alimentarmos a paz. Os festivais de músicas nativistas são exemplos de que isso já está na nossa cultura...

"Eu quero ser gente igual aos avós, eu quero ser gente igual aos meus pais, eu quero ser homem sem mágoas no peito, eu quero respeito e direitos iguais. Eu quero este pampa semeando bondade, eu quero sonhar com homens irmãos. Eu quero meu filho sem ódio nem guerra, eu quero esta terra ao alcance das mãos". 

Por que lutamos pelas Diretas Já? Quando efetivamente o país vai reconhecer, na figura de Ulysses Guimarães, o esteio da nossa democracia? Queiram ou não, estamos no mais longo período democrático do país. Para que serve a nossa Constituição?  Por que entoamos com galhardia "liberdade, abre as asas sobre nós"? Perguntas e perguntas.

A Constituição diz que a liberdade de pensamento e expressão e o direito de ir e vir estão garantidos para todos os brasileiros, sem distinção alguma. Desrespeitar esses preceitos é calar a voz das ruas e, com a devida licença poética, é silenciar o som das águas e o assoviar dos ventos. É afiançar as demências da ignorância. É retroceder aos tempos das masmorras e dos cativeiros. É sucumbir aos desumanos cantos dos açoites.

A pregação do ódio e da violência só serve para destruir as pessoas. Imaginem vocês o que se passa na cabeça de uma criança, de um jovem ou de um adolescente ao ouvirem palavras que não condizem com a espiritualidade do ser humano? Isso é algo terrível para a construção das suas personalidades. Não nos esqueçamos que eles serão o futuro do Brasil. Que homens serão eles? 

O segredo da tolerância política é acreditar no poder da palavra em forma de oração para transformar as pessoas. Devemos seguir sempre o caminho do bem. Sim, é possível pintar o mundo em cores vivas de paz, amor, justiça, igualdade e solidariedade.

Mesmo que alguns poucos queiram transformar em ruínas a dignidade das pessoas, eu ainda continuo sonhando nos escaninhos do Diário de Anne Frank: "Apesar de tudo eu ainda creio na bondade humana".

Resistência, solidariedade e transformação. Esse foi o tema do primeiro Encontro de Mulheres da FETAPERGS que aconteceu nessa quinta-feira (22) na Câmara de Vereadores de Lajeado, no Rio Grande do Sul. O evento foi organizado pela FETAPERGS, Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas de Lajeado (ATAPEL) e Centro Holístico Vida Saudável de Lajeado (COHVISA).

A advogada Renata Gonzatti, mestranda em Direito e membra do Coletivo Feminino Plural e a professora e coordenadora do curso de Enfermagem da Universidade do Vale do Taquari (Univates) Arlete Ali Kunz foram as palestrantes do encontro. De acordo com elas, as mulheres conquistaram um importante espaço na sociedade e principalmente no movimento dos aposentados.

Acompanharam o encontro os presidentes da FETAPERGS José Pedro Kuhn, da ATAPEL Sílvia Maria Kuhn e do COHVISA Eloede Conzatti. Além dos representantes das entidades que organizaram o evento, os vereadores Ildo Salvi e Arilene Dalmoro e o vice-presidente da Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (COBAP) Carlos Olegário.

Segundo o presidente da FETAPERGS José Pedro Kuhn, o evento foi um sucesso e conseguiu mobilizar as mulheres do município em torno da causa da classe: “Acreditamos que irão acontecer avanços para uma maior inclusão das mulheres no movimento dos aposentados e pensionistas”. Kuhn afirmou que deve acontecer uma segunda edição do evento.

De acordo com a organização, cerca de 150 pessoas participaram do evento que ocorreu no auditório da Câmara de Vereadores do município.

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal aprovou nessa terça-feira (13) um projeto de Eduardo Amorim (PSDB-SE) que determina que as vagas ociosas existentes em instituições de ensino superior sejam preenchidas por pessoas de 60 anos de idade ou mais. Com a aprovação do texto na comissão, a proposta segue para a Câmara dos Deputados.

O relator do senador Paulo Paim (PT-RS), ao aproveitar emenda de Cristovam Buarque (PPS-DF), teve o texto aprovado na comissão. O projeto votado determina que as instituições federais de ensino superior devem reservar, em cada curso, o percentual de 20% das vagas, não preenchidas no vestibular, aos idosos. O critério de seleção para esta cota será estabelecido pelas instituições. Outras vagas que não vierem a ser utilizadas deverão ser preenchidas pelos candidatos inscritos no sistema universal.

A Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do RS (FETAPERGS), que representa mais de 287 mil aposentados e pensionistas em Porto Alegre, manifesta a sua posição contrária ao reajuste da tarifa e o retorno do pagamento de 50% da segunda passagem.

De acordo com o representante da entidade no Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu) Carlos Pinheiro, de 58 anos, esse valor está fora da realidade vivida em Porto Alegre. “Hoje há um sucateamento dos ônibus em Porto Alegre, a população sabe que os ônibus estão precários” disse Pinheiro. Além disso, o representante da Federação que trabalhou como rodoviário da Carris por 16 anos, citou um dos motivos contraditórios apresentados no argumento do reajuste da tarifa: “O novo valor inclui o custo do ar-condicionado na frota, sendo que no último reajuste, essa tarifa já estava incluída”.

Pinheiro também questionou a qualificação da classe rodoviária em Porto Alegre ao exemplificar situações de “falta de respeito” que são vividas por gestantes, idosos e pessoas com deficiência diariamente.

Outro motivo apresentado no Comtu e que o representante da FETAPERGS questiona é o aumento salarial dos rodoviários: “Foi um aumento muito pequeno de 2% que já foi aceito e essa justificativa não deveria ser discutida no reajuste da passagem”.

Leia Também

FETAPERGS participa do I Seminário Nacional de Direito Previdenciário

FETAPERGS participa do I Seminário …

10 Dez 2018 Notícias de 2018

Perda salarial de aposentados alcança quase 90% desde o Plano Real

Perda salarial de aposentados alcan…

30 Nov 2018 Notícias de 2018

Dicas de frutas para consumir durante o verão

Dicas de frutas para consumir duran…

22 Nov 2018 Notícias de 2018

Câmara de POA aprova projeto para inserir idosos no mercado de trabalho

Câmara de POA aprova projeto para i…

14 Nov 2018 Notícias de 2018

INSS começa a pagar a 2ª parcela do 13º salário

INSS começa a pagar a 2ª parcela do…

08 Nov 2018 Notícias de 2018

Leia Também Notícias Filiados