Jun 13, 2021 Última Atualização em: 6:33 PM, Jun 9, 2021

De acordo com dados compartilhados pelo Ministério da Saúde em meados de abril, mais de 1,5 milhão de brasileiros não voltaram para receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Só no Rio Grande do Sul, mais de 123,5 mil gaúchos ainda não completaram o esquema vacinal do imunizante. Neste sentido, gostaríamos de reforçar a importância de receber a segunda aplicação da vacina para desenvolver uma taxa de imunização aceitável contra a doença.

É importante lembrar que se alguém tomar apenas a primeira dose dos imunizantes utilizados hoje no Brasil não estará devidamente protegido. Mesmo com um pouco de proteção oferecida pela primeira dose, a taxa não está dentro dos parâmetros estabelecidos por especialistas e instituições do setor, como a Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Até o momento, quase todas as vacinas aprovadas para uso no Brasil e no mundo precisam de duas aplicações.

As vacinas que são utilizadas hoje em território brasileiro são três: a da Pfizer/BioNTech; a da CoronaVac, Sinovac e Instituto Butantan; e também a AZD1222, de AstraZeneca, Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz. Todas elas precisam de duas aplicações para gerar o efeito esperado. O período para receber a primeira, da Pfizer/BioNTech, deve ser tomada em duas doses com intervalo maior ou igual a 21 dias. A segunda, da CoronaVac, Sinovac e Instituto Butantan, são duas injeções com intervalos de 14 a 28 dias. A terceira, a AZD1222, de AstraZeneca, Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz, deve ser tomada com um intervalo de 3 meses entre a primeira e a segunda aplicação.

Um dos grandes problemas causados após não retornar para completar o esquema de vacinação é a falsa sensação de segurança que o indivíduo cria após receber apenas uma dose. A pessoa pode achar que está completamente imunizada, mas não está e não pode seguir a vida normalmente, pois estará colocando a sua saúde e a das pessoas a sua volta sob riscos.

Portanto, entre em contato com a secretaria de saúde do seu município e informe-se sobre unidades de vacinação mais próximas de sua casa e vacine-se pela segunda vez.

A vacina contra a Covid-19 traz esperança e alívio para todos nós. É um momento especial que traz alegria e oportunidade de minimizar os riscos impostos pelo novo coronavírus. No entanto, a vacina não age de forma imediata e a imunização só será completa com a segunda dose.

Em entrevista a BBC Brasil, a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Isabella Ballalai afirma que existe um prazo para a vacina ser eficaz contra a doença: "Nenhuma vacina disponível, para essa ou qualquer outra doença, é capaz de proteger, mesmo que parcialmente, em menos de 14 dias após a aplicação das doses", esclarece a médica.

Após tomar a primeira dose da vacina, é importante manter os mesmos cuidados de antes da vacinação, como o uso de máscaras cobrindo boca e nariz, evitar aglomerações e manter o distanciamento social.

Atualmente, no Brasil, o vírus está atingindo muito mais os jovens, ou seja, pessoas com idade abaixo de 50 anos e que ainda não fora imunizadas. Segundo Isabella, mesmo após tomar a segunda dose, a pessoa não deve promover ou participar de aglomerações e deixar de seguir os protocolos: "E, mesmo quem recebeu as duas doses, não está liberado para ter uma 'vida normal'. Pelo que sabemos, a vacina protege contra o adoecimento e as formas mais graves da covid-19, mas as pessoas imunizadas podem continuar a transmitir o vírus para outras".

Para voltar à normalidade com que estávamos habituados, a maioria da população precisa ter sido imunizada contra a Covid-19. Além disso, após tomar a segunda dose da vacina, ainda é necessário aguardar por, pelo menos, 15 dias para que ela atinja a eficácia esperada.

O período de vacinação teve início no Brasil no final de janeiro. O país alcançou mais de 13 milhões de pessoas que tomaram a primeira dose da vacinae mais de quatro milhões a segunda. Os dados foram divulgados ontem (24) pelo consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estadão de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL.

Aqui no Rio Grande do Sul, a vacinação já chegou nos diretores da FETAPERGS em suas respectivas cidades. Em Tupanciretã, o diretor da FETAPERGS e vice-presidente da Associação do Trabalhadores Aposentados e Pensionistas de Tupanciretã e Jari (ASSAPEN) Valdomiro Moura, aos 74 anos, recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

No município de Sapiranga, o 2º Diretor Financeiro da Federação e tesoureiro da Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas de Sapiranga (ATAPES) Zeno Altenhofen, com 70 anos, também recebeu a primeira dose do imunizante contra o novo coronavírus. De acordo com o diretor da FETAPERGS, o trabalho e a dedicação das pessoas que estão trabalhando no período de vacinação precisam ser destacados: "Rapidez e eficiência, tudo muito organizado. Parabéns prefeitura de Sapiranga e funcionários da Saúde e todos os envolvidos".

Em Santa Cruz do Sul, o diretor financeiro da FETAPERGS Germano Kelber, aos 85 anos, também já foi vacinado contra a Covid-19 e já recebeu as duas doses do imunizante.

O 3º vice-presidente da FETAPERGS e presidente da Associação dos Aposentados e Pensionistas de São Sebastião do Caí (AAPCAI) Samuel Borges, com 71 anos, recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 na última quarta-feira (24). Em Novo Hamburgo, o 2º vice-presidente da Federação e presidente da Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas de Novo Hamburgo (ATAPNH) Idaílton Alexandre, aos 73 anos, também recebeu a primeira dose do imunizante contra o novo coronavírus, nesta sexta-feira (26).

Os números de óbitos, internações e novos casos de Covid-19 no Brasil nas últimas semanas ligou o sinal de alerta para toda a população. Ontem (03), o país registrou 1.840 mortes em decorrência do novo coronavírus. Os números são de origem do consórcio de veículos de imprensa que apuram junto às secretarias estaduais de Saúde.

Com o agravamento da situação, os idosos, grupo considerado de risco a Covid-19, precisam dedicar uma atenção especial aos cuidados e protocolos sanitários diariamente.

Além disso, a presença de uma nova variante que é considerada por especialistas em epidemias mais contagiosa, deixou epidemiologistas preocupados com a dimensão que a pandemia deve alcançar no Brasil.

Apesar da chegada da vacina, a imunização da população brasileira ainda deve demorar. Por isso, é importante que todos continuem seguindo as orientações de profissionais de saúde e especialistas em epidemias.

Use máscara quando estiver em um espaço com outras pessoas, evite ir ao supermercado ou farmácia em horários que há muito movimento no estabelecimento e, se possível, evite sair de casa e se reunir com outras pessoas.

O processo de vacinação contra a Covid-19 de pessoas idosas com idade acima de 85 anos será gradual e começa por aqueles com mais de 90 anos a partir de quarta-feira (10). De acordo com o jornal GaúchaZH, a partir de quinta (11) serão imunizados aqueles que possuem mais de 87 anos e de sexta-feira em diante aqueles com mais de 85 anos. 

Segundo as informações do jornal, para receber a vacina, o cidadão precisa portar um documento de identificação e comprovante de residência. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, é pedido, preferencialmente, o RG. No entanto, qualquer documento oficial com foto é aceito.

É importante reforçar que a vacinação serve apenas para moradores de Porto Alegre. Neste sentido, é exigido o comprovante de residência, de preferência contas de luz ou de água.

Abaixo, segue a lista disponibilizada pelo site GaúchaaZH dos 10 postos que irão vacinar em oito regiões de POA. O horário para atendimento é das 8h até às 17h.

Sul-Centro-Sul

US Camaquã - Rua Dr. Jõao Pitta Pinheiro Filho, 176, bairro Camaquã

Partenon-Lomba-Pinheiro

US São Carlos - Rua Bento Gonçalves, 6.670, bairro Agronomia

Noroeste-Humaitá-Navegantes-Ilhas

US IAPI - Rua Três de Abril, 90, bairro Passo da Areia 

Leste-Nordeste

US Morro Santana - Rua Marieta Mena Barreto, 210, bairro Santana

Restinga-Extremo-Sul

Clínica de Família Alvaro Difini - Rua Alvaro Diffini, 520, bairro Restinga

Glória-Cruzeiro-Cristal

US Moab Caldas - Rua Gabriel Fialho Camargo, bairro Santa Tereza

Norte-Eixo-Baltazar

US Assis Brasil - Avenida Assis Brasil, 6.615, bairro Sarandi

Centro

US Santa Marta - Rua Capitão Montanha, 27; US Modelo - Rua Jerônimo de Ornellas, 55, bairro Santana; US Santa Cecília - Rua São Manoel, 543, bairro Santa Cecília

Pagina 1 de 2

Leia Também

Programa FETAPERGS na Estrada retorna e convida associação de Ijuí e entidade dos rodoviários

Programa FETAPERGS na Estrada retor…

09 Jun 2021 Notícias de 2021

Maior incidência de queda de idosos no inverno exige atenção, segundo traumatologista da FMUSP

Maior incidência de queda de idosos…

07 Jun 2021 Notícias de 2021

A importância de receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19

A importância de receber a segunda …

02 Jun 2021 Notícias de 2021

COMUNICADO: Funcionamento da FETAPERGS durante o feriado

COMUNICADO: Funcionamento da FETAPE…

02 Jun 2021 Notícias de 2021

Edição de programa recebeu lideranças de associações filiadas para debate sobre superação

Edição de programa recebeu lideranç…

28 Mai 2021 Notícias de 2021