Apr 26, 2018 Última Atualização em: 3:18 PM, Apr 25, 2018

Audiência pública aponta contradições no projeto de reforma da Previdência

presidente da FETAPERGS josé pedro kuhn participou da mesa de debates presidente da FETAPERGS josé pedro kuhn participou da mesa de debates Marcelo Bertani - ALRS
Publicado em Notícias de 2018
Lido 276 vezes
Avalie este item
(0 votos)

O impacto da reforma da Previdência na vida dos trabalhadores e aposentados. Este foi o tema da audiência pública que ocorreu nessa segunda-feira (05), no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa. O evento foi realizado pela Frente Parlamentar em Defesa da Terceira Idade, que tem o apoio da Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do RS (FETAPERGS).

A abertura da audiência teve a participação do presidente da Assembleia Legislativa deputado Marlon Santos. O parlamentar citou que a reforma da Previdência “nega direitos” ao povo brasileiro e solicitou a produção de um documento oficial após o debate para ser enviado para Brasília em resposta a apreciação do projeto. A audiência pública foi liderada pelo presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Terceira Idade, deputado Gerson Burmann e ainda contou com a presença do deputado federal Pompeo de Mattos e do senado Paulo Paim por vídeoconferência.

Os dois palestrantes, o coordenador do curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Maria, professor doutor Thales Viegas e o especialista em Direito Previdenciário pelo IDC, advogado Tiago Kidricki, criticaram as mudanças propostas pelo governo. Ambos os debatedores citaram que o projeto teve o apoio de setores empresariais e financeiros, principalmente em relação à previdência privada que favorece os bancos.

O professor Thales Viegas disse que os argumentos apresentados pelo governo em defesa da reforma são “falácias e meias verdades”. Viegas demonstrou ao público que nos últimos 15 anos o superávit da previdência foi de R$ 1 trilhão, só que este dinheiro foi “utilizado para pagar a dívida pública”. De acordo com o professor, a economia do governo de R$ 400 bilhões após a reforma será superada por exonerações fiscais e sonegação de impostos.

O advogado Tiago Kidricki apresentou diversas soluções para o governo ajustar as contas no próximo ano. Além disso, o especialista em Direito Previdenciário mostrou as distorções constitucionais inseridas na proposta que deve ser votada no dia 19. Entre os apontamentos do advogado está o descumprimento do artigo 165 da Constituição, que determina orçamento separado da Previdência Social. Kidricki também apresentou medidas efetivas para combater o déficit das contas públicas como, por exemplo, uma auditoria da dívida pública, a formação de uma força-tarefa para cobrar os devedores da Previdência e o aumento do prazo de prescrição para devedores, estimulando à contribuição. 

Deixe um comentário

Os campos com (*) são de preenchimento obrigatório.

Leia Também

Projeto de desaposentação em pauta de reunião com senadores em Brasília

Projeto de desaposentação em pauta …

25 Abr 2018 Notícias de 2018

Aposentados, pensionistas e idosos promovem semana de mobilização em Cuiabá

Aposentados, pensionistas e idosos …

20 Abr 2018 Notícias de 2018

Pediatras alertam para o fim do SUS

Pediatras alertam para o fim do SUS

18 Abr 2018 Notícias de 2018

Senha de acesso ao Meu INSS pode ser tirada na rede bancária

Senha de acesso ao Meu INSS pode se…

06 Abr 2018 Notícias de 2018

Senador Paulo Paim - Tolerância, abre as asas sobre nós

Senador Paulo Paim - Tolerância, ab…

02 Abr 2018 Notícias de 2018

Leia Também Notícias Filiados